segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

A vida às vezes é 
um caminhar solitário no deserto
sol escaldante numa pele desnuda
tempestade de areia que te cega
e que te faz perder a direção
Porém
a noite sempre vem
estrelas no céu surgem para te guiar
a luz do luar para iluminar
um caminho novo a seguir
e  depois, uma chuva pra te refrescar
E quando
tua alma parece levitar
teu coração não para de palpitar
é sinal que o amor aconteceu
e de mãos dadas irão voar




Ao mergulhar 
no mar verde 
dos teus olhos, 
descobri que 
o impossível 
só se torna possível 
quando se ama


terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Levamos uma vida, ou duas 
Para conhecer alguém
Mas a magia está
Quando reencontro de almas se dá
É o reconhecimento imediato
No primeiro olhar, 
No primeiro abraço,
É o fluxo que segue
Como uma continuação
É a sintonia nos batimentos
É harmonia dos pensamentos
É a melodia do coração
Uma luz é emanada
E só quem já viu pode reconhecer
Quando duas almas se reencontram
É a luz de um amanhecer




quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Tua alma tem sede de quê?
A minha de poesia
Palavras tecidas
Pelo tempo
Enviadas pelo vento
Costuradas com amor




No primeiro dia 
Nossos olhares sorriram
Nossas almas se reconheceram
Só que não sabíamos

Num segundo momento
Nossos corações aceleraram
Nossos corpos se entrelaçaram
E se identificaram

Os dias se passaram
A saudade aumentando
Uma paz nos invadia
Nos apaixonamos

E em pouco tempo
A necessidade foi crescendo
De expressar o que sentíamos
E nos declaramos

O amor iluminou nossas vidas
Com carinho e alegria
Sensibilidade e harmonia
E nos entregamos

Amar e ser amado
Cuidar e ser cuidado
Amor é se doar 
Mas também é saber receber




terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Somos pássaros
Livres pra voar
Pousar onde há aconchego
E partir quando desejar
Fazer ninho com quem se ama
E ao mesmo tempo
Plainar solo no ar
Amar é não ter correntes
E não acorrentar
Simbiose de almas 
E corações formando 
Um lar




A fortaleza se rompe
A vulnerabilidade se instala
O medo toma conta
Por um vendaval que se aproxima

Veio como uma brisa
Sem fazer alarde
Penetrou na minha alma
Fez morada no coração

Por ser desconhecido
As inseguranças aparecem
Ao não  saber ser amada
Perco-me nos meus devaneios 

Deste-me as mãos
Apresentou-me ao mundo novo
Peço paciência,
Pois é um caminho que desconheço

Caminho de afeto e ternura
Florido com carinho e amor
Obstáculos superados, 
Com determinação e parceria

Gratidão por me fazer perceber
O que é amar de verdade
Com a leveza do orvalho

E com a intensidade de um raio